Capa do mês

Eis o pão dois anjos por Pierre-Marie Dumont

Desde 12 de dezembro de 1848 o Palácio do Eliseu serve como residência oficial ao presidente da república francesa. O Príncipe- Presidente Louis-Napoleon, que viria a ser o imperador Napoleão III, lá se instalou em 20 de dezembro de 1848. Ali desenvolveu um suntuoso projeto de embelezamento, construindo uma capela ricamente decorada. Um século mais tarde, em 1947, o presidente Vincent Auriol acabou com a capela, substituindo-a por dois escritórios. As pinturas que adornavam suas paredes foram transferidas para o Museu do Louvre, onde ainda podem ser admiradas até hoje. No entanto, quando, em 1959, Charles de Gaulle se tornou o décimo oitavo presidente da República Francesa, ele converteu de novo um dos escritórios numa capela muito simples. Católico fervoroso, o “General” fielmente ia até ela para rezar e participar da missa, muitas vezes celebrada por seu sobrinho, o padre François de Gaulle. Finalmente, em 2007, o presidente Nicolas Sarkozy suprimiu definitivamente a capela, transformando-a em sala de espera de seus visitantes.

A capela de 1848 foi decorada por um dos melhores alunos de Ingres, Sébastien-Melchior Cornu. Este anjo apresentando uma hóstia foi originalmente colocado acima da porta de saída. Lembra o Lauda, Sion, a sequência da solenidade de Corpus Christi escrita por São Tomás de Aquino: “Eis aqui o pão dos anjos, dado em viático aos homens que estão a caminho” (em tradução livre do original francês). Tinha, assim, por função lembrar o viático necessário àqueles que, tendo feito suas devoções, estavam voltando para os assuntos do mundo. Da mesma forma como os hebreus foram alimentados com o maná, o pão dos anjos, durante a sua travessia do deserto do Sinai, o mesmo acontece com aqueles que se tornaram filhos de Deus, através do batismo, ao longo da sua peregrinação terrena: são nutridos pelo Pão vivo que desceu do céu. Mas, a cruz marcada sobre a hóstia ressalta a diferença essencial: enquanto o maná sustentava a vida que continuou perecível, o verdadeiro Pão dos cristãos sustenta a Vida que se transfigurará em Vida eterna.